Criada por iniciativa dos livreiros e editores gaúchos com apoio do jornalista Say Marques, diretor-secretário do Diário de Notícias, a Feira do Livro de Porto Alegre foi inaugurada em 1955. O evento é considerado referência no país por seu caráter democrático e pela consistência do trabalho que desenvolve na área da formação de leitores e de mediadores da leitura, além de programação cultural 100% gratuita. Realizada desde sua primeira edição na Praça da Alfândega, Centro Histórico da capital gaúcha, a Feira é dividida em Área Geral, Área Internacional e Área Infantil e Juvenil. Centenas de escritores, ilustradores, contadores de histórias e outros profissionais participam do evento, que conta com sessões de autógrafos, mesas-redondas, oficinas, palestras e programações artísticas, entre outras atividades. Alguns desses eventos são realizados no Memorial do Rio Grande do Sul, Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, Auditório da Livraria Paulinas, Auditório do Margs e Auditório da Inspetoria da Receita Federal.

Em 2006, a Feira do Livro de Porto Alegre recebeu a medalha da Ordem do Mérito Cultural, concedida pela Presidência da República, que a reconheceu como um dos mais importantes eventos culturais do Brasil. Um ano antes, havia sido declarada bem do Patrimônio Cultural Imaterial do Estado e, em 2010, foi o primeiro bem registrado, pela Prefeitura de Porto Alegre, como integrante do Patrimônio Histórico e Cultural Imaterial da cidade. A 64ª edição ocorre de 1º a 18 de novembro de 2018.

Confira as fontes de recursos da 64ª Feira do Livro de Porto Alegre.

Sobre a escolha do patrono
A primeira etapa do processo de escolha do patrono ou patrona da 64ª Feira do Livro de Porto Alegre ocorreu de 5 a 23 de setembro de 2018. Cada uma das empresas associadas à Câmara Rio-Grandense do Livro (editoras, livrarias, creditistas e distribuidoras de livros), além de patronos de Feiras anteriores e ex-presidentes da Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL), indicou cinco autores para que concorram ao título de patrono da 64ª Feira do Livro de Porto Alegre. Os cinco escritores mais votados são indicados como patronáveis e integram a segunda etapa da votação.

Desta fase, participaram as empresas associadas e diretoria da CRL, patronos de feiras anteriores e representantes da comunidade cultural (reitores de universidades, diretores de faculdades e titulares de entidades culturais e sociais envolvidas com a questão do livro, todas sediadas no Rio Grande do Sul), além do público, que pôde votar em urnas distribuídas em vinte e uma livrarias. A apuração coube à CRL e o nome do autor mais votado, Maria Carpi, foi anunciado no dia 18 de outubro, em evento para imprensa e convidados no Centro Cultural da Ufrgs.

Podem concorrer a patrono autores com obra de qualquer gênero (não exclusivamente literário), gaúchos ou radicados no Estado há mais de cinco anos. São considerados, ainda, os seguintes critérios: 1) qualidade, extensão e importância do conjunto da obra; 2) representatividade no meio intelectual e na sociedade em geral; 3) serviços prestados ao livro produzido no Rio Grande do Sul. O patronato atual é exercido por Maria Carpi.

Confira os patronos e patronas já selecionados.

1965: Alcides Maya
1966: João Simões Lopes Neto
1967: Alceu Wamosy
1968: Caldas Júnior
1969: Eduardo Guimaraens
1970: Augusto Meyer
1971: Manuelito de Ornelas
1972: Luís Vaz de Camões
1973: Darcy Azambuja
1974: Leopoldo Bernardo Boeck
1975: Athos Damasceno Ferreira
1976: Erico Verissimo
1977: Henrique Bertaso
1978: Walter Spalding
1979: Auguste Saint-Hilaire
1980: Moysés Vellinho
1981: Adão Juvenal de Souza
1982: Reynaldo Moura e Monteiro Lobato
1983: José Bertaso
1984: Maurício Rosenblatt
1985: Mário Quintana
1986: Cyro Martins
1987: Moacyr Scliar
1988: Alberto André
1989: Maria Dinorah
1990: Guilhermino César
1991: Luis Fernando Verissimo
1992: Paulo Fontoura Gastal
1993: Carlos Reverbel
1994: Nelson Boeck, Edgardo Xavier, Mário de Almeida Lima e Sétimo Luizelli
1995: Caio Fernando Abreu
1996: Lya Luft
1997: Luiz Antonio de Assis Brasil
1998: Patrícia Bins
1999: Décio Freitas
2000: Barbosa Lessa
2001: Armindo Trevisan
2002: Ruy Carlos Ostermann
2003: Walter Galvani
2004: Donaldo Schüler
2005: Frei Rovílio Costa
2006: Alcy Cheuiche
2007: Antônio Hohlfeldt
2008: Charles Kiefer
2009: Carlos Urbim
2010: Paixão Côrtes
2011: Jane Tutikian
2012: Luiz Coronel
2013: Luís Augusto Fischer
2014: Airton Ortiz
2015: Dilan Camargo
2016: Cíntia Moscovich
2017: Valesca de Assis
2018: Maria Carpi

A sétima mulher desde 1965: Maria Carpi recebeu o patronato das mãos de Valesca de Assis no dia 18 de outubro de 2018, segunda vez em que o posto foi transferido de uma escritora a outra.

 

Sobre a Câmara Rio-Grandense do Livro
Fundada em 1963, a Câmara Rio-Grandense do Livro é uma sociedade civil sem fins lucrativos, que tem por objetivo unir entidades e empresas que trabalham pelo livro, promovendo sua defesa e seu fomento, a difusão do gosto pela leitura, a formação de leitores e o fortalecimento do setor livreiro. A entidade conta com mais de 140 de associados, entre editores, livreiros, distribuidores e outras instituições que se dedicam à produção, à comercialização e à difusão do livro, todas com sede ou filial no Rio Grande do Sul.

Saiba mais: www.camaradolivro.com.br.