Em uma nação com mais de 5 mil municípios, como o Brasil, é natural que cada cidade apresente suas próprias formas de implementação de políticas públicas. O que constitui as diferenças entre as prefeituras e o que fez com que algumas tivessem mais eficiência em relação a outras?

Essas são algumas das questões levantadas no livro “A política, as políticas e os controles: como são governadas as cidades brasileiras”, da Tomo Editorial. A obra foi lançada na tarde dessa sexta-feira, com uma conversa na sala O Retrato, do Centro Cultural Erico Verissimo. O livro é uma coletânea de ensaios, fruto de pesquisas acadêmicas pelo país, com organização de André Marenco e Maria Noll.

Marenco explica que a Constituição Federal de 1988 atribuiu aos municípios prerrogativas e autonomia para a governança. nesse sentidos, os pesquisadores têm se perguntado sobre onde está o centro de poder e sobre a relação vertical entre poderes municipais, estaduais e federal. “Embora haja pesquisas suficientes sobre políticas públicas no âmbito federal e estadual, muito pouco se sabe ainda sobre o plano municipal”, diz. “Afinal, no que os municípios se diferem nesse sentido e o que levou a essas diferenças?”, questiona.

Texto: Thaís Seganfredo
Fotos: Pedro Heinrich

 

Posts Relacionados

Deixe uma resposta