Guilherme Couto, Matheus Wemmer e Laís Farias. Crédito Diego Lopes


As atividades da 64ª Feira do Livro de Porto Alegre, que vai de 1º a 18 de novembro, iniciaram na manhã desta quinta-feira. No Espaço do Conhecimento Petrobras acontece a Mostra de projetos de iniciação científica, que vai das 9h às 17h. 76 alunos da rede de ensino da cidade de Novo Hamburgo apresentam seus trabalhos que fazem parte de projetos internos das escolas.

A Feira Municipal de Iniciação Científica e Tecnológica (Femictec) está na sua sexta edição, sendo voltada para a difusão e a para promoção da pesquisa e da investigação científica na educação básica. Ela acontece em parceria com universidades da região, que ajudam na avaliação dos trabalhos apresentados. A iniciativa atinge alunos do ensino infantil ao ensino fundamental (1º ao 9º ano). Cerca de 60 feiras internas são realizadas nas escolas do município durante todo o ano, com aproximadamente 1,3 mil projetos. Após as internas, os projetos vão para a Femictec.

Para a Feira do Livro, os mais de 70 jovens se dividem em 17 estandes apresentando trabalhos que desenvolveram ao longo de 2018. Adriana Cornélius, coordenadora da Femictec, explica mais sobre a seleção dos projetos. “Nós participamos também, da Mostratec Júnior, onde 30 projetos participaram. E como achamos melhor oportunizar que mais crianças apresentem seus trabalhos, selecionamos 17 que têm mais a ver com a Feira do Livro, e que não participaram da Mostratec”, comenta.

Elize Pires. Crédito Diego Lopes


Mas como fazer com que os alunos mantenham o interesse nas aulas e queiram participar de eventos como esse? Essa é uma das questões mais comuns entre os professores. Elize Pires, coordenadora pedagógica da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Machado de Assis, acredita que dar mais espaço para os jovens pode ajudar no processo. “O nosso objetivo maior é fazer com que os alunos sejam protagonistas, donos do conhecimento. O foco sai do professor, e vai para o aluno. Os projetos são por todo ano, em várias etapas, e a Femictec é o espaço de divulgação desse trabalho”, diz.

Laís Farias (12 anos), Guilherme Couto (12) e Matheus Wemmer (12) construíram uma apresentação sobre a relação da comunidade local com o meio ambiente local. Intitulado “Conexão Parcão: amigos e guardiões”, os alunos do 6º ano analisaram a trajetória, cuidado e preservação do Arroio Wiesenthal, que começa no Parque Municipal Luis Roessler (Parcão) e passa pela escola Machado de Assis.

Fernanda Martins (15), Guilherme Trevisan (15) e Guilherme Braun (14) idealizaram e colocaram em prática a criação de uma horta em sua escola, a EMEF Martha Wartenberg. Os alunos do 9º ano chamaram seu projeto de “Earth Green”, onde procuraram conhecer mais sobre plantação e entender como funciona a área, chegando a conclusão do quanto o solo precisa ser adequado, especificando o que está sendo cultivado.

Fernanda Martins, Guilherme Braun e Guilherme Trevisan. Crédito Diego Lopes


Tanto Fernanda, da Martha Wartenberg, quanto Matheus, da Machado de Assis, participaram da Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente (CNIJMA). Uma iniciativa do Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), constituído pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). Seu objetivo é mobilizar estudantes, adolescentes e jovens do país, visando promover a reflexão, e o desenvolvimento de estudos e pesquisas.

Mais fotosno álbum do Flickr
Texto – Airan Albino

Posts Relacionados

Deixe uma resposta