O ano de 2018 é muito especial para a República Tcheca e a comunidade tcheca, país convidado de honra da 64ª Feira do Livro de Porto Alegre. Neste ano, será comemorado o 100º aniversário do nascimento da Tchecoslováquia independente e também 100 anos do reconhecimento diplomático deste novo país pela República Federativa do Brasil, primeiro país da América Latina a fazê-lo. Serão comemorados também os 80 anos do Acordo de Munique, 50 anos da Primavera de Praga e da invasão soviética no país, e também o pequeno jubileu dos 25 anos do nascimento da República Tcheca, como resultado do divórcio “veludo” com a Eslováquia.

As efemérides serão lembradas na 64ª Feira do Livro de Porto Alegre com as exposições temáticas “50 anos da Primavera de Praga” e “100 anos da fundação da Tchecoslováquia”, além de recitais de poesia, saraus, exibições de filmes e um estande próprio no primeiro andar do Memorial do Rio Grande do Sul.

O Rio Grande do Sul conta com três associações de descendentes tchecos; pesquisas indicam que este seria o terceiro maior grupo de imigrantes recebidos pelo estado. Segundo o cônsul honorário da República Tcheca em Porto Alegre Fernando Lorenz, os números são imprecisos porque muitos tchecos identificaram-se como boêmios, falantes de alemão ou provenientes do Império Austro-húngaro ao chegarem aqui, tornando os números imprecisos e dificultando a identificação da comunidade tcheca ainda hoje. Desde 2015, após assinatura de memorando de parceria econômica e cultural entre República Tcheca e Rio Grande do Sul, o diálogo entre os povos tem se aprofundado.

Confira a programação especial:

1/11 – 15h e 19h – Cine Santander Cultural – Homenagem à República Tcheca
A família Willer está entre as únicas doze, judaicas e tchecas, que conseguiu sobreviver ao holocausto. Alfred Miller e seu pai emigraram para o Brasil durante a Segunda Guerra Mundial quando sua cidade natal, Praga, na República Tcheca, foi invadida e devastada pelos nazistas. No Brasil, Alfred se casou e formou uma família, além de se consagrar como um grande arquiteto

2/11 – 14h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca por seus livros: Cara Liberdade, de Zdenek Korecek
Zdenek Koreck relata, em Cara Liberdade, sua história de deslocamento forçado em fuga da II Guerra, até chegar ao Brasil, em 1953, num convite ao leitor a se envolver com relatos não apenas de incertezas e dificuldades, mas de muita superação e conquistas. A experiência vivida por Zdenek é, também, a de milhões de refugiados que buscam novo lar ao redor do mundo. Sua história é apresentada por Erika Korecek.

2/11 – 15h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca por seus livros: a imigração na literatura
As imigrações, vividas tão intensamente pelo povo tcheco, são tema frequente de sua literatura. A professora e escritora Markéta Pilátová, formada em línguas românicas e história na Universidade Palacký em Olomuc, traz à pauta o tema.

2/11 – 16h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca – os imigrantes e suas contribuições: o filósofo Vilem Flusser
A cultura e o pensamento brasileiros tiveram nos imigrantes que fugiam do nazismo oriundos da Tchecoeslováquia grande fonte de inspiração. Vilém Flusser (Praga, 1920/Praga, 1991) foi uma dessas figuras. Naturalizado brasileiro, autodidata, mudou-se para o Brasil (São Paulo), onde atuou por cerca de 20 anos como professor de filosofia, jornalista, conferencista e escritor. Sua obra e seus reflexos são apresentados por Eva Batlicková.

2/11 – 17h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca por seus livros: “Detendo o vento” e a poesia contemporânea
O tema principal da conversa são poemas de Markéta Pilátová, que resgatam do imaginário tcheco e da memória pessoal uma série de paisagens, personagens e sentimentos e da viajante Markéta, que conhece diferentes culturas e suas histórias. Com Markéta Pilátová e Gabriela Silva

3/11 – 14h30 – Auditório do MARGS: A República Tcheca por seus livros: A guerra das salamandras, de Karel Čapek
Regimes totalitários. perseguições, genocídio… todas as atrocidades que aconteceriam poucos anos após o lançamento deste romance estão ali previstos de maneira satírica e engenhosa. Helena Hrdlicková abre caminho para a descoberta e divulgação da obra.

3/11 – 15h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca por seus livros: Alois Jirásek, Otakar Batlička, Jan Neruda e Karel Čapek
A literatura clássica presente. Fernanda Mellvee abordará quatro histórias que remetem as múltiplas leituras que cada obra nos possibilita. Para os apreciadores de literatura fantástica, teremos autores de histórias misteriosas. Para os leitores mais céticos, teremos nestes autores histórias ilustrativas da sociedade e da época na qual cada uma dessas quatro vozes está inserida.

3/11 – 16h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca: os imigrantes e suas contribuições – Frank Smit, o violinista
História de Frantisek Schmitt, mais conhecido por “Frank Smit”, talentoso violinista nascido em Dvur Kralové, na República Tcheca, em 1892. Aos cinco anos de idade iniciou suas primeiras lições de violino e revelou seu talento para a música. Sua arte influenciou e encantou o Brasil, país escolhido para que vivesse parte de sua vida. Com Sílvia Kitadai

3/11 – 17h30 – Theatro São Pedro: A República Tcheca por seu teatro: Birds in the house
Peça de teatro inspirada em diversos textos curtos de Franz Kafka que, de forma imaginária, aborda o desejo humano por liberdade e o encontro de si mesmo como principal objeto deste desejo.

4/11 – 14h30 – Auditório do MARGS: A República Tcheca por seus livros: Praga na literatura
A cidade de Praga é apresentada por Luiz Fernando Destro como cenário, tendo como base o livro Uma fênix em Praga, que se foca na história de uma mulher na busca de respostas sobre si mesma e sobre a vida.

4/11 – 15h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca por seus livros: Meninas do Quarto 28
Apresentação, por Karen Zolko, do livro de Hannelore Brenner, que narra uma história de esperança, amizade, sobrevivência e arte em tempos de guerra.

4/11 – 16h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca por seus livros: As aventuras do bom soldado
Apresentação do livro escrito por Jaroslav Hasek pouco depois da Primeira Guerra Mundial, na qual o autor lutou, e que, muito mais do que um „testemunho“ da barbárie, é uma novela satírica e de humor negro. Apresentação de Markéta Pilátová.

4/11 – 17h30 – Auditório do MARGS: República Tcheca: os imigrantes e suas contribuições – Frantisek Vladimír Lorenc
Conheça Francisco Waldomiro Lorenc (František Vladimír Lorenc), poliglota e filósofo nascido no Reino da Boêmia, Império Austro-Húngaro (hoje a República Tcheca), um dos primeiros esperantistas do mundo e o segundo no Brasil, além de autor e tradutor de vários livros. Com Fernando Lorenz de Azevedo

PROGRAMAÇÃO PERMANENTE
Exposições
O conto de Murilo Rubião e o desenho de Jiri Voves
A Formação do Estado Tchecoslovaco, 1918
A Primavera de Praga, 1968
Promoção: Consulado Geral da República Tcheca em São Paulo e Consulado Honorário da República Tcheca em Porto Alegre
Primeiro andar do Memorial do RS

 

Posts Relacionados

Deixe uma resposta