Criada por iniciativa dos livreiros e editores gaúchos com apoio do jornalista Say Marques, diretor-secretário do Diário de Notícias, a Feira do Livro de Porto Alegre foi inaugurada em 1955. O evento é considerado referência no país por seu caráter democrático e pela consistência do trabalho que desenvolve na área da formação de leitores e de mediadores da leitura, além de programação cultural 100% gratuita. Realizada desde sua primeira edição na Praça da Alfândega, Centro Histórico da capital gaúcha, a Feira é dividida em Área Geral, Área Internacional e Área Infantil e Juvenil. Centenas de escritores, ilustradores, contadores de histórias e outros profissionais participam do evento, que conta com sessões de autógrafos, mesas-redondas, oficinas, palestras e programações artísticas, entre outras atividades. Alguns desses eventos são realizados no Memorial do Rio Grande do Sul, Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, Auditório da Livraria Paulinas, Auditório do Margs e Auditório da Inspetoria da Receita Federal.

Em 2006, a Feira do Livro de Porto Alegre recebeu a medalha da Ordem do Mérito Cultural, concedida pela Presidência da República, que a reconheceu como um dos mais importantes eventos culturais do Brasil. Um ano antes, havia sido declarada bem do Patrimônio Cultural Imaterial do Estado e, em 2010, foi o primeiro bem registrado, pela Prefeitura de Porto Alegre, como integrante do Patrimônio Histórico e Cultural Imaterial da cidade. A 65ª edição ocorre de 1º a 17 de novembro de 2018.

Processo de escolha do Patrono

A escolha do patrono é uma das atividades que movimentam os associados da Câmara Rio-Grandense do Livro/CRL (editoras, livrarias, creditistas e distribuidoras). Podem, ou não, participar os patronos de feiras anteriores, os ex-presidentes e a comunidade. A ação realiza-se sempre no início do segundo semestre de cada ano. Na edição que marca os 65 anos da Feira do Livro de Porto Alegre, de 10 a 27 de setembro, cada uma das empresas associadas sugeriu cinco autores, em ordem de preferência, para concorrer ao título. Também participam do processo de votação os patronos de Feiras anteriores e ex-presidentes da CRL. A partir desta lista, a decisão final coube à diretoria da CRL. O escolhido foi anunciado em evento no dia 16 de outubro. A escritora Marô Barbieri é a Patrona da Feira na sua edição histórica.

Podem concorrer a patrono autores com obra de qualquer gênero (não exclusivamente literária), gaúchos ou radicados no Estado há mais de cinco anos. São considerados, ainda, os seguintes critérios: 1) qualidade, extensão e importância do conjunto da obra; 2) representatividade no meio intelectual e na sociedade em geral; 3) serviços prestados ao livro produzido no Rio Grande do Sul.

Confira quem já foi patrono ou patrona da Feira do Livro de Porto Alegre em 55 anos – de 1965 a 2019.

Confira os patronos e patronas já selecionados.

1965: Alcides Maya
1966: João Simões Lopes Neto
1967: Alceu Wamosy
1968: Caldas Júnior
1969: Eduardo Guimaraens
1970: Augusto Meyer
1971: Manuelito de Ornelas
1972: Luís Vaz de Camões
1973: Darcy Azambuja
1974: Leopoldo Bernardo Boeck
1975: Athos Damasceno Ferreira
1976: Erico Verissimo
1977: Henrique Bertaso
1978: Walter Spalding
1979: Auguste Saint-Hilaire
1980: Moysés Vellinho
1981: Adão Juvenal de Souza
1982: Reynaldo Moura e Monteiro Lobato
1983: José Bertaso
1984: Maurício Rosenblatt
1985: Mário Quintana
1986: Cyro Martins
1987: Moacyr Scliar
1988: Alberto André
1989: Maria Dinorah
1990: Guilhermino César
1991: Luis Fernando Verissimo
1992: Paulo Fontoura Gastal
1993: Carlos Reverbel
1994: Nelson Boeck, Edgardo Xavier, Mário de Almeida Lima e Sétimo Luizelli
1995: Caio Fernando Abreu
1996: Lya Luft
1997: Luiz Antonio de Assis Brasil
1998: Patrícia Bins
1999: Décio Freitas
2000: Barbosa Lessa
2001: Armindo Trevisan
2002: Ruy Carlos Ostermann
2003: Walter Galvani
2004: Donaldo Schüler
2005: Frei Rovílio Costa
2006: Alcy Cheuiche
2007: Antônio Hohlfeldt
2008: Charles Kiefer
2009: Carlos Urbim
2010: Paixão Côrtes
2011: Jane Tutikian
2012: Luiz Coronel
2013: Luís Augusto Fischer
2014: Airton Ortiz
2015: Dilan Camargo
2016: Cíntia Moscovich
2017: Valesca de Assis
2018: Maria Carpi

2019: Marô Barbieri

A oitava mulher desde 1965: Marô Barbieri recebeu o patronato das mãos de Maria Carpi, terceira vez em que o posto foi transferido de uma escritora a outra.

 

Sobre a Câmara Rio-Grandense do Livro
Fundada em 1963, a Câmara Rio-Grandense do Livro é uma sociedade civil sem fins lucrativos, que tem por objetivo unir entidades e empresas que trabalham pelo livro, promovendo sua defesa e seu fomento, a difusão do gosto pela leitura, a formação de leitores e o fortalecimento do setor livreiro. A entidade conta com mais de 140 de associados, entre editores, livreiros, distribuidores e outras instituições que se dedicam à produção, à comercialização e à difusão do livro, todas com sede ou filial no Rio Grande do Sul.

Saiba mais: www.camaradolivro.com.br.