Acessibilidade é destaque na Feira do Livro 2019

Um destaque da edição de 2019 da Feira do Livre de Porto Alegre é a acessibilidade. Assim, existe na Praça da Alfândega uma Estação da Acessibilidade, junto ao balcão de informações, onde vários serviços são oferecidos como intérprete de libras e empréstimo de cadeiras de rodas. Deficientes visuais podem agendar visitas guiadas com antecedência através do telefone 51 995954131 ou 54 999094754 ou ainda pelo whats com Deise.

“Um ambiente de conversação, onde há inclusão das pessoas com deficiência. Sempre procuramos um espaço de reconhecimento da nossa causa. Grata pela Câmara do Livro estender a visibilidade ainda tão desconhecida na sociedade”, Liza Cristina Cenci, Federação Rio-Grandense de Entidades de e para Deficientes Físicos. Foto de Diego Lopes.

 

Programação Completa:

3 de novembro

9 h, no Teatro Carlos Urbim

Apresentações artísticas do Ciclo Inclusivo

9h – Histórias de Invisibilidade: Quem tem AH/SD?, com Carlos Augusto Pessoa de Brum e Erick G AGAAHSD

9h40min – Apresentação da violinista Florença Sanfelice AFAD POA

10h05 – Revoada, apresentação de dança com, Grupo Fábrica de sonhos-Arte, inclusão e Pertencimento – Instituto Pertence

10h50min – A cartomante e O enfermeiro, de Machados de Assis, esquetes teatrais com o Projeto Rumo Norte

11h30min – O gato de botas, espetáculo de teatro com APAE Porto Alegre

Promoção: Comitê de Voluntários pela Acessibilidade da Feira do Livro

4 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Consciência: um olhar sobre o Autismo, roda de conversa com Ieda de Oliveira

19h30min, na Estação da Acessibilidade

Vini e Léo meninos da cor do céu, roda de conversa com Jéssica Minho e Thanise Stein

6 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Estimulação Precoce, roda de conversa com APAE POA

19h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Aplicativo de Comunicação Alternativa FALAÊ, roda da conversa com Cintia Santos

7 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Vamos falar de Nanismo?, roda de conversa com Velvit Ferreira Severo

19h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Turismo acessível para pessoas com deficiência, roda de conversa com Evelise Kerkhowe e Rotechild Prestes

8 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Empregabilidade, roda de conversa com APAE/POA

19h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Ensaios para a surdez, roda de conversa com Nhana Salada Bolsoni

9 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Arteterapia: caminho para expansão da consciência, roda de conversa com Claudia Regina da Silva

13 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Epilepsia, cannabis medicinal e qualidade de vida, roda de conversa com Marina Davoglio Tolotti e Tárcia Rita Davoglio; Pscicologas

19h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Projeto fotográfico João Vicente Fiorentini, roda de conversa com AFAD POA

14 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Orcam MyEye Óculos Inteligentes, roda de conversa com Nataniel Pádua da Silva

19h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Lançamento de livros em braille – Senado Federal

15 de novembro

18h30min, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Será que sou Superdotada???, roda de conversa com com Lúcia Lamb e Lexandra Rodrigues

19h30min, Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

A importância de manter um foco na qualidade de vida para quem tem uma doença rara, roda de conversa com AGAM

16 de novembro

17h, na Estação da Acessibilidade

Ciclo Inclusivo

Mil Brinquedos Mil Sorrisos BR, roda de conversa com Eduardo Cardoso

19h30min, na Estação da Acessibilildade

Ciclo Inclusivo

Livro multiformato: criação e contação de histórias infantis, roda de conversa com Claudia Rodrigues de Freitas e Eduardo Cardoso

Atividades relacionadas com a Acessibilidade na Arena Inovação

5 de novembro

14 às 15h, na Arena Inovação

Robótica inclusiva com Grupo ROBOED 28 CRE

Público: alunos do Ensino Fundamental e outros interessados

8 de novembro

9 às 11h, na Arena Inovação

Proibido para maiores, exibição de filme com audiodescrição – Leticia Schwartz, da Mil Palavras

Público: alunos do Ensino Fundamental e outros interessados

Sala O Arquipélago no CCCEV recebe exposição Minorias

Questões de gênero, racismo, LGBTQ+, feminismo, além de temas históricos do Brasil, sob a curadoria de Alexsander Britto e Valdriana Corrêa, estão presentes na mostra coletiva Minorias. Os trabalhos estão expostos até 16 de novembro, de terças a sextas, das 10h às 19h; sábado, das 11h às 18h, na Sala O Arquipélago no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo,a rua dos Andradas, 1223.

Fotos: Pedro Heinrich

 

65ª Feira do Livro abre e entrega Comenda da Ordem dos Jacarandás a amigos do livro e da leitura

Vamos aos livros e à leitura!”, enfatizou o presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro, Isatir Bottin Filho, ao abrir oficialmente a edição histórica da Feira do Livro de Porto Alegre – de 65 anos ininterruptos, na Praça da Alfândega. Com o Teatro Carlos Urbim lotado, no final da tarde do dia 1º de novembro, Isatir ressaltou que a Feira do Livro é um presente para a cidade e agradeceu o apoio de todos para a realização do evento.  

 Participaram da cerimônia de abertura a patrona deste ano, escritora Marô Barbieri, a patrona da Feira 2018, Maria Carpi, a secretária de Estado da Cultura, Beatriz Araújo, representando o governador Eduardo Leite, o secretário municipal da Cultura, Luciano Alabarse, e o prefeito Nelson Marchezan Júnior. Presentes ainda outras autoridades, patrocinadores, editores, livreiros, distribuidores e entidades do setor.

Depois de Maria Carpi, que disse ter a “chave da cidade e o seu segredo para passar à Marô”, a patrona desta edição lembrou que a curiosidade sempre a moveu na vida e hoje ela representa todos aqueles que amam o livro. Marô Barbieri advertiu que “a palavra fere, mas liberta e salva”, desejando que todos possam, através da arte da palavra, construir uma visão sempre nova da vida.

Na foto Marô Barbieri recebe a “chave do portal” de Maria Carpi. Foto de Diego Lopes

Homenageados

Um dos momentos mais celebrados foi a entrega da Comenda da Ordem dos Jacarandás para os homenageados da 65ª Feira do Livro – reconhecidos como amigos do livro e da leitura. Receberam placa e diploma a jornalista Tânia Carvalho, a Federação Espírita do Rio Grande do Sul, representada pelo presidente da entidade, Gabriel Nogueira, e o Correio do Povo, representado pelo diretor Comercial, João Müller. O escritor Carlos Nejar, também homenageado, não pôde comparecer por estar fora da cidade e receberá a Comenda da Ordem dos Jacarandás no dia 9 de novembro, às 18h, no Centro Cultural CEEE Erico Veríssimo.

Confira o álbum completo do evento.

CONVERSA COM MARÔ BARBIERI, PATRONA DA FEIRA DE 2019

Neste sábado, dia 02, às 17h, na Sala O Retrato do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo – CCCEV – Marô Barbieri, patrona desta edição, conversa com o público sobre a sua obra. Maria Eunice Garrido Barbieri, conhecida como Marô Barbieri, é  escritora, professora e contadora de histórias, natural de Bento Gonçalves (RS). Tem Licenciatura Plena em Letras (Língua e Literatura Portuguesa e Língua e Literatura Francesa) pela PUCRS. Como professora, atuou ensinando língua e literatura de português e francês em turmas de primeiro e segundo graus do Instituto Educacional João XXIII, Colégio Santa Família, Colégio Menino Deus, Colégio Rosário e Colégio Israelita. Autora de 27 livros, Marô destaca-se pelas obras voltadas ao público infantil mas, a partir de 2013, começa a produzir livros para público infantojuvenil e para adultos. Até 2014, foi patrona de 22 Feiras do Livro, entre elas Guaíba, Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Morro Reuter, Minas do Leão, Triunfo e Flores da Cunha, Canela e Alvorada. É madrinha de três bibliotecas que têm o seu nome: em Santa Maria do Herval/RS, em Morro Reuter/RS e em Porto Alegre/RS. Foi Presidente da Associação Gaúcha de Escritores (AGEs) nos biênios 2004-2005, 2006-2007, 2010-2011 e é membro do corpo de especialistas em leitura da Casa da Leitura (Proler/Fundação da Biblioteca Nacional). Em outubro de 2014 passou a integrar a Academia Rio-Grandense de Letras, ocupando a cadeira de número 15.

A patrona Marô Barbieri autografa seu livro Dinahí no dia 7 de novembro (quinta-feira), a partir das 17h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Mesa-redonda com Juarez Fonseca, Luciano Mattuella e Robson de Freitas Pereira

Neste sábado, dia 02, às 18h30min, na Sala Noé de Mello Freitas do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo – Rua dos Andradas, 1223 o cinquentão Festival de Woodstock que nasceu do desejo de um grupo de jovens em criar algo grandioso será tema de uma mesa-redonda com Juarez Fonseca, Luciano Mattuella e Robson de Freitas Pereira. Eram tempos de reação contra as guerras, especialmente, a que acontecia no Vietnã, da luta pela liberação dos costumes e pela liberdade sexual. Seus organizadores também queriam ouvir e fazer parte da celebração da melhor música que o rock’n’roll poderia produzir. Contra todas as más previsões, deu tudo certo: por lá passaram músicos como Jimi Hendrix, Richie Havens, Janis Joplin, Joe Cocker, Carlos Santana, a banda The Who, entre muitos outros. Ao final, o que era para ser uma feira de artes e “três dias de paz, amor e música” se estendeu por mais um dia e reuniu mais de 500 mil pessoas. O Festival de Woodstock entrou para a história como o maior festival de música de todos os tempos. Para comemorar a data e ressignificar seu legado, estarão juntos o jornalista Juarez Fonseca e os psicanalistas Luciano Mattuella e Robson de Freitas Pereira.

 

Programação do primeiro final semana da 65° Feira do Livro de Porto Alegre

Kalunga e Mário Pirata abrem a programação infantojuvenil

Os poetas e autores gaúchos são destaques no primeiro dia da 65ª Feira do Livro

Kalunga, “nome verdadeiro” de Carlos Heraclito Mello Neves, escritor de literatura infantil e infantojuvenil, poeta, instrumentista, oficineiro, compositor e palestrante, abre o ciclo O Autor no Palco (voltado para alunos do Ensino Fundamental) na sexta-feira, dia 1º de novembro, às 9h, no Teatro Carlos Urbim (Av. Sepúlveda), Praça da Alfândega. Kalunga tem 35 livros publicados por várias editoras brasileiras, como Paulinas-SP, Vozes-RJ, Miguilin-MG, Franco-MG, FTD-SP, InVerso-PR Livroebooks-GO, Maneco-RS e Coralina-RS. Alguns dos seus livros foram adaptados para o teatro. Um deles, Criança não faz de Conta, com o Grupo Artigas, conquistou prêmios nacionais e internacionais, com apresentações no Brasil e em outros países da América do Sul.

Mário Pirata é a atração do ciclo Autor no Palco para o público infantojuvenil, no dia 1º, às 10h30, no Teatro Carlos Urbim. Nascido em Porto Alegre, ele cursou Filosofia na UFRGS. Começou escrevendo folhetos, fazendo parte da “geração mimeógrafo” dos anos 70. Vem dedicando-se à educação, brincando com crianças, conversando com adolescentes e adultos, apresentando-se em teatros, feiras, congressos, praças, instituições. Realiza oficinas de criatividade, onde o trabalho está voltado para o desenvolvimento da linguagem. Tem 12 livros publicados.

Contação de histórias com a Caravana da Sherazade

Vai dormir, princesa!”, de Hermes Bernardi Jr., abre na sexta-feira, dia 1º de novembro, as atividades na Tenda das Mil e Uma Histórias, espaço da Área Infantil e Juvenil voltado para crianças de zero a seis anos. Na Tenda (Praça da Alfândega), a partir das 11h30, Contação de histórias com a Caravana da Sherazade.

Arena Inovação para o público jovem e adulto

Esta é uma das novidades da 65ª Feira do Livro, dedicada ao público jovem e adulto, no espaço Arena Inovação, na Praça da Alfândega (R. Siqueira Campos, 2529). Na sexta, dia 1º de novembro, abre a Mostra de Projetos de Iniciação Científica, promovida pela Secretaria Municipal de Educação de Novo Hamburgo, das 9h às 18h. Nos dias 2 e 3, das 9h às 20h30m, acontece o evento Hackatown: Democratização da leitura. Depois de palestras sobre questões ligadas à leitura no país, dos desafios às novidades no setor, os participantes serão reunidos em equipes para idealizar soluções a partir da abordagem design thinking (conjunto de métodos e processos para abordar as ideias criadas). Promoção da Point Facilitações Criativas, em parceria com a Câmara Rio-Grandense do Livro. No dia 4, a Mostra de Robótica Educacional Livre, com o Grupo Roboed 28 CRE, das 9h às 17h, para alunos do Ensino Fundamental e público interessado. E, às 18h, o painel Impacto da tecnologia na área da Saúde, com Pedro Schestatsky, Luciano Eifler e Guria Natureba.

 

Minimum – Proposta para novas barracas da Feira do Livro

Do dia 2 até 17 de novembro, o público poderá conhecer os projetos desenvolvidos em concurso para novas barracas da Feira do Livro de Porto Alegre, pela Minimum, em parceria com a Câmara Rio-Grandense do Livro. Das 9h às 20h30, no Espaço Cultural dos Correios, Praça da Alfândega.

Destaques da programação

A programação completa da 65ª Feira do Livro de Porto Alegre pode ser acessada pelo site www.feiradolivro-poa.com.br

Fotos estão disponibilizadas, com o crédito dos fotógrafos da Feira, no Flickr: www.flickr.com/photos/feiradolivropoa

Dia 2 de novembro – sábado

Exposição Coletiva Minorias

2/11 a 16/11 – Terça a sexta, das 10h às 19h. Sábado, das 11h às 18h. Sala O Arquipélago no CCCEV

Primeira atividade da programação para o público adulto na Feira do Livro 2019, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (CCCEV). A exposição apresenta questões de gênero, racismo, LGBTQ+, feminismo, além de temas históricos do Brasil. Curadoria de Alexsander Britto e Valdriana Corrêa.

ARI entrevista JJ Camargo

2/11 – 14h – Sala Noé de Mello Freitas no CCCEV

Cronista consagrado e referência internacional na área de cirurgia torácica, o autor gaúcho J.J.Camargo é recebido por jornalistas gaúchos. Com a participação de Vilson Romero e Marta Sfredo.

Após o encontro, J. J. Camargo autografa o livro Se você para você cai (LPM), às 15h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Escritores Gaúchos, Série Digital: Aldyr Garcia Schlee

2/11 – 14h30 – Sala O Retrato no CCCEV

Lançamento do fascículo com Alfredo Aquino, Maria Eunice Moreira e Luiz Olyntho Telles da Silva. Editora: IEL.

A arte combate a injustiça?

2/11 – 15h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Maria Tomaselli, Antonio Gerbase e Gustavo Nakle conversam com o público sobre uma discussão que vem e vai. Escultura, gravura e literatura servem para combater a injustiça social ou se faz isso apenas com ciência e política? No encontro, a artista plástica Maria Tomaselli comenta o seu novo lançamento, Ela se chama Azelene (Editora Libretos). O seu terceiro livro conta a relação de uma presa em regime semiaberto com sua patroa, ou de uma patroa com sua empregada que deve voltar correndo, toda tarde, para a prisão.

Após o encontro, Maria Tomaselli autografa seu livro, às 16h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

1824 e os 195 anos de Imigração Alemã no Brasil

2/11 – 16h – Sala O Retrato no CCCEV

Em 1824, (Editoria Leya), o historiador, pesquisador e escritor Rodrigo Trespach (www.rodrigotrespach.com) narra a chegada dos imigrantes de língua alemã ao Brasil e a formação das primeiras colônias no século XIX. O livro mostra como os alemães participaram da instalação das nossas primeiras colônias agrícolas, do surgimento da igreja protestante brasileira e até mesmo de um plano para assassinar d. Pedro I. Por meio de documentos e diários de viagem, Trespach insere uma vasta pesquisa histórica numa envolvente narrativa que conta uma história fascinante e pouco conhecida sobre a formação do Brasil. Rodrigo Trespach nasceu em Osório (RS). É autor de onze livros, entre os quais O lavrador e o sapateiro (2013) e os quatro livros da coleção Histórias não (ou mal) contadas (2017 e 2018). Como pesquisador independente, é colaborador do Instituto de História Regional da Universidade de Mainz, na Alemanha, e autor de diversos artigos para jornais e revistas nacionais e internacionais.

Após o encontro, Rodrigo Trespach autografa seu livro às 17h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Cidade, imaginário e cotidiano

2/11 – 16h30 – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

De 2013 no Brasil aos coletes amarelos franceses. Para debater este tema, a Feira do Livro de Porto Alegre traz, nesta 65ª edição, três reconhecidos autores internacionais em encontro que tem a participação do autor e jornalista gaúcho Juremir Machado da Silva: o francês Philippe Joron e os italianos Vincenzo Susca e Fabio La Rocca. Em destaque, os livros A cidade em todas as suas formas (Fabio La Rocca), Pornocultura (Susca) e A vida improdutiva (Joron) – todos da Editora Sulina.

Após o encontro, os três autores autografam, às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega, os livros: A cidade em todas as suas formas (Fabio La Rocca), As afinidades conectivas: para compreender a cultura digital (Vincenzo Susca) e A vida improdutiva (Philippe Joron).

Sobre os autores:

– O italinano Vicenzo Susca é doutor em Sociologia pela Sorbonne, diretor do Departamento de Sociologia da Universidade Montpellier III e editor da revista Cahiers Européens de L´Imaginaire. É autor de vários livros, entre eles Nos limites do imaginário, o governador Scharwzenegger, os telepopulistas e Pornocultura, viagem ao fundo da carne, em coautoria com Claudia Attimonelli.

– O italiano Fabio LaRocca é doutor em Sociologia pela Universidade Paris Descartes Sorbonne (2008) e professor na Universidade Paul-Valéry Montpellier 3. Seus estudos e trabalhos são voltamos para a Sociologia do Imaginário, Comunicação e Mídias, Sociologia Visual, Cidades e Espaços Urbanos, Epistemologia e História do Pensamento Sociológico.

– O francês Philipe Joron é doutor em Sociologia pela Sorbonne, professor titular na Universidade Paul-Valéry, em Montpellier, professor visitante e pesquisador estrangeiro no Brasil. Atualmente, dirige a Faculdade Sciences du Sujet et de la Société. Joron toca naquilo que realmente faz a vida social, o cotidiano e suas singularidades. Seu leitor anda por veredas e por linhas paralelas.

Conversa com o Patrono da 65ª Feira do Livro

2/11 – 17h – Sala O Retrato no CCCEV

Marô Barbieri, patrona desta edição, conversa com o público sobre a sua obra. Maria Eunice Garrido Barbieri, conhecida como Marô Barbieri, é  escritora, professora e contadora de histórias, natural de Bento Gonçalves (RS). Tem Licenciatura Plena em Letras (Língua e Literatura Portuguesa e Língua e Literatura Francesa) pela PUCRS. Como professora, atuou ensinando língua e literatura de português e francês em turmas de primeiro e segundo graus do Instituto Educacional João XXIII, Colégio Santa Família, Colégio Menino Deus, Colégio Rosário e Colégio Israelita. Autora de 27 livros, Marô destaca-se pelas obras voltadas ao público infantil mas, a partir de 2013, começa a produzir livros para público infantojuvenil e para adultos. Até 2014, foi patrona de 22 Feiras do Livro, entre elas Guaíba, Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Morro Reuter, Minas do Leão, Triunfo e Flores da Cunha, Canela e Alvorada. É madrinha de três bibliotecas que têm o seu nome: em Santa Maria do Herval/RS, em Morro Reuter/RS e em Porto Alegre/RS. Foi Presidente da Associação Gaúcha de Escritores (AGEs) nos biênios 2004-2005, 2006-2007, 2010-2011 e é membro do corpo de especialistas em leitura da Casa da Leitura (Proler/Fundação da Biblioteca Nacional). Em outubro de 2014 passou a integrar a Academia Rio-Grandense de Letras, ocupando a cadeira de número 15.

Textos contraculturais, crônicas anacrônicas & outras viagens

2/11 – 17h30 – Teatro Carlos Urbim

Eduardo Bueno (Peninha) conversa com o público sobre o seu mais recente livro, Textos contraculturais, crônicas anacrônicas & outras viagens (LPM), no qual revisita sua carreira como jornalista e divide suas experiências como escritor e ‘viajante’. O autor reúne crônicas, entrevistas e textos jornalísticos sobre escritores que marcaram a “geração beat”. Conforme a editora, “Pop, culto, engraçado, sério, este livro é marcado pela grande diversidade de temas, cuja unidade é exatamente a sua qualidade. O produto final é uma seleção de textos que, escritos ao longo dos últimos trinta anos, consagram Eduardo “Peninha” Bueno como um dos mais talentosos intelectuais brasileiros”. 

Após o encontro, Eduardo Bueno (Peninha) autografa seu livro, às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Presença sueca na Feira do Livro: Mats Strandberg

2/11 – 18h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

O escritor sueco Mats Strandberg apresenta o seu livro A última travessia (Editora Morro Branco), que tem tradução de Fernanda Sarmatz Akesson. O livro conta a história de uma viagem de sonhos que se transforma em um terrível pesadelo. A palestra, no encontro “Presença sueca na Feira do Livro – Mats Strandberg”, tem mediação do jornalista e crítico literário Carlos André Moreira, com tradução simultânea. O premiado autor de literatura adulta, YA (jovens-adultos) e infantil é um dos destaques internacionais na 65ª Feira do Livro. A última travessia destaca-se entre os dez livros mais vendidos na Europa e tem uma adaptação cinematográfica em desenvolvimento. Mats Strandberg nasceu em Fagersta, uma pequena cidade industrial no meio da floresta sueca. O local inspirou Engelsfors, o cenário de sua trilogia YA, best-seller, com a coautoria de Sara B. Elfgren.

Após o encontro, Mats Strandberg autografa seu livro A última travessia, a partir das 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Woodstock – 50 anos!

2/11 – 18h30 – Sala Noé de Mello Freitas no CCCEV

Comemoração dos 50 anos do Festival de Woodstcok e o espírito do nosso tempo: imagens, livros, música. Com Robson de Freitas Pereira, Luís Augusto Fischer e Juarez Fonseca.

O Brasil visto de fora

2/11 – 18h30 – Sala O Retrato no CCCEV

Encontro com o poeta, professor de literatura brasileira na Sorbonne e organizador do Festival Printemps Littéraire Brésilien, Leonardo Tonus (França). Com mediação da escritora e jornalista Cíntia Moscovich, ex-patrona da Feira do Livro de Porto Alegre (2016). Editora Nós.

Leonardo Tonus é professor Livre Docente em literatura brasileira no Departamento de Estudos Lusófonos na Sorbonne Université (França). Membro do Conselho Editorial e do Comitê de Redação de diversas revistas internacionais, atua nas áreas de literatura brasileira contemporânea, teoria literária e literatura comparada com pesquisa sobre imigração. Em 2014 foi condecorado pelo Ministério de Educação francês Chevalier das “Palmas Acadêmicas” e, em 2015, Chevalier das “Artes e das Letras” pelo Ministério da Cultura francês. Foi Curador do Salon du Livre de Paris de 2015 que teve o Brasil como país homenageado e, em 2016, da exposição “Oswald de Andrade: passeur anthropophage” no Centre Georges Pompidou (França). É o idealizador e organizador desde 2014 do festival literário internacional “Printemps Littéraire Brésilien”. Participou da Delegação Oficial brasileira no Salão do Livro de Göteburg (Suécia) em 2014 e 2016 e atuou como moderador de diversos eventos literários internacionais (Flip, 2017, Salon du Livre de Paris, entre 2012 e 2018, Salão do Livro de Göteburg, 2014 e 2016). Publicou artigos acadêmicos sobre autores brasileiros contemporâneos e coordenou a publicação, entre outros, dos ensaios inéditos do escritor Samuel Rawet (Samuel Rawet: ensaios reunidos, 2008), do número 41 da Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, da edição especial da Revista Ibéric@l, em torno da nova cena literária no Brasil e das antologias La littérature brésilienne contemporaine – spécial Salon du Livre de Paris 2015 ( Revista Pessoa, 2015), Olhar Paris (Editora Nós, 2016), Escrever Berlim ( Editora Nós, 2017) e Min al mahjar ila al watan (Da Terra de Migração Para a Terra Natal (Revista Pessoa/ Editora Mombak; Abu Dhabi Departement of Culture and Tourism/ Kalima, 2019). Em 2018 lançou sua primeira coletânea de poesias intitulada Agora Vai Ser Assim (Editora Nós, 2018) e vários de seus poemas já tiveram publicação em antologias e revistas nacionais (A resistência dos vaga-lumes, 2019; Em tempos de pós-democracia, 2019; O que resta das coisas, 2018 – finalista do Prêmio Ages 2019) e internacionais (Aosnovoiorquinos, New York, 2019). Em outubro de 2019 lança sua segunda antologia de poemas intitulada Arrepio de cílios pela Editora Nós.

Mauro Borba e a história do Cafezinho. O resto é cópia

2/11 – 18h30 – Teatro Carlos Urbim

A história contada por quem lançou o Cafezinho (Pop Rock), um programa clássico com a participação dos ouvintes, até hoje no ar pela rádio MIX FM 107.1. Com o autor gaúcho Mauro Borba, Eron Dalmolin, Luís Gustavo Bivis, Simone Cabral, Eduardo Mendonça e Arthur de Faria. Editora Besourobox.

Após o encontro, Mauro Borba autografa seu livro, às 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Dia 3 de novembro – domingo

Apometria, os Orixás e as linhas de Umbanda

3/11 – 15h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Em pauta, O contexto de invocação dos Orixás, com o líder religioso Norberto Peixoto.

Ele conversa com o público sobre a religião Umbanda e comenta o seu livro O Transe Ritual na Umbanda – orixás, guias e falangeiros (Editora Besourobox/Selo Legião).

Após o encontro, Norberto Peixoto autografa seu livro, às 16h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Uma história da escravidão no Brasil

3/11 – 16h30 – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Palestra do escritor e jornalista paranaense Laurentino Gomes, com mediação do jornalista e crítico literário Carlos André Moreira. Em pauta, o livro Escravidão Vol. 1 (Editora Globo). Do primeiro leilão de cativos africanos em Portugal à morte de Zumbi dos Palmares: a saga que transformou o Brasil no maior território escravista das Américas, destino de quase cinco milhões de africanos escravizados ao longo de 350 anos.

Após o encontro, Laurentino Gomes autografa seu livro, às 17h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Abordagens dos anos 90 na literatura brasileira

3/11 – 17h – Sala Noé de Mello Freitas no CCCEV

O escritor pernambucano radicado em São Paulo Alex Bezerra de Menezes e o jornalista e escritor porto-alegrense Caco Belmonte conversam com o público sobre as abordagens dos anos 1990 na literatura brasileira e contam por que criaram histórias ambientadas naquela década, em seus romances e contos. O encontro tem mediação do jornalista e professor Lucas Colombo. Durante a conversa, Caco e Alex podem ler trechos de seus romances e contos em que observam traços dos anos 1990 e relembrar costumes e produtos que todos tínhamos naquele tempo.

Após o encontro, Alex Bezerra de Menezes autografa seu livro Depois do fim (Editora Simonsen), às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Conversa com o Patrono da 47ª Feira do Livro: Armindo Trevisan. O Credo de São Tomás explicado a um jovem de hoje

3/11 – 17h – Sala O Retrato no CCCEV

A preocupação ecumênica e humanista na exposição da matéria dogmática. A sensibilidade do autor-poeta, longe de comprometer a porção doutrinal do livro, a sublinha, de acordo com o princípio de Pascal: “Deus sensível ao coração”. Participam da mesa o poeta Armindo Trevisan e Pe. Carlos Gustavo Haas, com mediação do escritor Paulo Flávio Ledur.

Após o encontro, Armindo Trevisan autografa o livro O Credo de São Tomás explicado a um jovem de hoje (Editora AGE), às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

A Cabala e os Sistemas

3/11 – 18h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Encontro com a participação do Rabino Nilton Bonder (São Paulo) e mediação do jornalisa Tulio Milman. Reflexão sobre a nova série lançada pelo escritor, abordando, através de sete distintas temáticas, a importância dos sistemas na arte da interpretação. Nilton Bonder é rabino e líder espiritual da Congregação Judaica do Brasil e doutor em Literatura Hebraica pelo Jewish Theological Seminary. Seus livros são publicados também na Holanda, Itália, Alemanha, Estados Unidos, China, Rússia, Coreia do Sul, Espanha e República Tcheca. Recebeu o prêmio Jabuti 2000, na Categoria Religião.

Após o encontro, Nilton Bonder autografa seu livro Cabala e a arte de manutenção da carroça (Editora Rocco), às 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Sarau: Poesia dita. Poesia escrita.

3/11 – 18h30 – Sala O Retrato no CCCEV

O que poetas podem ter em comum se não a voz e a coragem de dizer seus versos? Sarau destacando a presença do poeta, pesquisador e acadêmico português Gonçalo Ferraz, professor de Biologia de Populações na UFRGS, em Porto Alegre (RS). O escritor procura manter no trabalho a criatividade em todas as regras de expressão que a atividade científica impõe. A poesia para ele transita nesse meio. É um exercício de expressão sintética das ideias que considera importante dentro das regras. Com a participação de Maria do Carmo Campos, Fátima Farias, Ricardo Silvestrin e Mara Reichert.

Após o encontro, Gonçalo Ferraz autografa o livro Compras do mês (Editora Libretos), às 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

65ª Feira do Livro de Porto Alegre abre no dia 1º de novembro

A edição histórica da Feira do Livro de Porto Alegre – de 65 anos ininterruptos – começa na sexta-feira, 1º de novembro, com encerramento no dia 17, sob o slogan Curiosidade é o que nos move. A solenidade de abertura da feira mais antiga do país e uma das maiores a céu aberto da América Latina ocorrerá às 18h30, no Teatro Carlos Urbim (Av. Sepúlveda), na Praça da Alfândega. Organizada pela Câmara Rio-Grandense do Livro, a Feira do Livro de Porto Alegre é Patrimônio Histórico e Cultural Imaterial da cidade e Patrimônio Cultural Imaterial do Rio Grande do Sul.

Para marcar a data, a Câmara do Livro preparou uma programação diversificada, com a meta de atingir todos os públicos. Diariamente, oficinas, palestras, seminários, bate-papos e sessões de autógrafos, com a presença de centenas de autores do Brasil e do exterior. Nas oficinas, escritores, pesquisadores e profissionais do mundo do livro oferecem suas habilidades e técnicas em atividades gratuitas que contemplam diferentes etapas e perspectivas sobre o fazer literário, a leitura, a produção textual e o trabalho criativo.

Conforme o presidente da Câmara do Livro, Isatir Bottin Filho, “esta será a Feira da inclusão, da acessibilidade e da inovação”. Isatir lembra que a estrutura montada e as diversas ações que serão desenvolvidas durante o evento fazem parte do projeto Feira do Livro 65 anos, com o objetivo de tornar os espaços mais acessíveis, atraentes e seguros.

A Feira 2019 será realizada em espaço coberto de 5.400m², ocupando uma área total de 8.000m², com o total de 106 expositores – 86 na Área Geral, 13 na Área Infantil e Juvenil, e sete na Área Internacional. Durante 17 dias serão promovidas mais de 300 atividades, sobre temas atuais da literatura e do momento social, comportamental, político, cultural e artístico do país e do mundo. Participarão dos encontros com o público 150 autores brasileiros e 12 escritores internacionais. Haverá mais de 600 sessões de autógrafos na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Além dos encontros da programação para o público adulto, a Feira abre espaço para a “Literatura Oral – A palavra como patrimônio”, tema central da Área Infantil e Juvenil nesta edição, com destaque para a Literatura Indígena e a Literatura Afro-Brasileira. É com esse foco que os encontros, seminários e contação de histórias foram desenvolvidos. A programação infantojuvenil e as atividades para professores têm como objetivo principal contribuir para a formação de leitores e de mediadores de leitura. Participam aproximadamente 80 autores.

 

Área Infantil e Juvenil e ciclo A Hora do Educador

Ciclo A Hora do Educador

Inscrições individuais:  visitacaoescolar@camaradolivro.com.br

 

4 de novembro

18h30min às 20h30min, no Ateliê da Imagem (Espaço Cultural dos Correios)

A árvore dos livros de imagem, construção do texto visual, bate-papo com Peter O. Sagae

Público: professores, bibliotecários e outros interessados

 

5 de novembro

9h, no Ateliê da Imagem

A construção do leitor literário, bate-papo com Peter O Sagae

Público: alunos de Magistério, Graduação Pedagogia e Letras e mediadores da leitura em geral

 

18h30min, na Biblioteca Moacyr Scliar

A volta ao mundo em 80 mitos, com Rosana Rios

Público: Professores, bibliotecários e outros mediadores de leitura

 

6 de novembro

18h30min, na Biblioteca Moacyr Scliar

Medos do Mundo – A importância da literatura de suspense como espaço de enfrentamento e reflexão, palestra com Heloisa Prieto

Público: Professores, bibliotecários e outros mediadores da leitura

 

7 de novembro

 17h30min às 18h15min, no Ateliê da Imagem

A Metalinguagem na Literatura Infantil, bate-papo com Annete Baldi

Apresentação dos livros Todos os escritores do mundo têm a cabeça cheia de piolhos, de José Luís Peixoto, e Metalinguagem e Literatura Infantil, de Annete Baldi

Público: professores, bibliotecários e outros mediadores da leitura

Promoção: Editora Projeto

 

18h30min, na Biblioteca Moacyr Scliar

Pequeno Almanaque Poético, um sarau sobre Brasil e Portugal com  Selma Maria e José Santos

Público: professores, bibliotecários e outros mediadores da leitura

 

11 de novembro

 17h, no Ateliê da Imagem

Ciclo A Hora do Educador

Literatura de cordel e xilogravura, oficina com Nireuda Longobardi e Marco Haurélio

Público: professores e outros interessados

 

12 de novembro

19h30min, no Teatro Carlos Urbim

A Literatura dos povos indígenas com Daniel Munduruku e Yaguarê Yamã

Mediação: Rodrigon Venzon

Público: professores, bibliotecários e outros mediadores da leitura, professores e alunos da Educação para Jovens e Adultos

 

13 de novembro

17h, na Biblioteca Moacyr Scliar

Ciclo A Hora do Educador

Questões de gênero: como abordar em casa e na escola?, bate-papo com Georgina Martins e Márcia Leite

Público- professores, pais e outros interessados

 

14 de novembro

18h30min, no Teatro Carlos Urbim

Ciclo A Hora do Educador

A literatura infantil e juvenil afro-brasileira, mesa-redonda com Sonia Rosa, Otávio Júnior, Heloísa Pires Lima, Cidinha da Silva e Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva

Público: professores, bibliotecários e outros mediadores da leitura

 

15 de novembro

9h, no auditório da Livraria Paulinas (Rua dos Andradas, 1.212)

2º Encontro de Práticas de Mediação da Leitura

 

9h30min – Palestra de abertura com Manuel Filho

Coordenação: Ana Paula Cecato

Parceria: IFSUL

 

17h, no Ateliê da Imagem

O tradicional e o contemporâneo na literatura para crianças e jovens, painel com Penélope Martins e Elaine Maritza .

Público: professores, bibliotecários e outros mediadores da leitura

Inscrições: visitacaoescolar@camaradolivro.com.br

 

19h, no Auditório do Memorial do RS

Ciclo A Hora do Educador

12º Seminário A Arte de Contar Histórias

Por uma literatura antirracista, palestra de abertura com Sonia Rosa

Idealização, curadoria e mediação: Celso Sisto

Abertura: Vivapalavra de Poesia

 

16 de novembro

9h às 20h30min, no auditório da Livraria Paulinas (Rua dos Andradas, 1.212)

Ciclo A Hora do Educador

 

9h às 12h-  Oficina com Penélope Martins

 

14 às 17h – Oficina com Eleonora Medeiros

 

17h30min às 19h – A arte de contar histórias como instrumento de debate e resistência, mesa-redonda com Penélope Martins E leonora Medeiros

Público: professores, bibliotecários e outros mediadores de leitura

Narração de abertura – Vânia Teske

 

19h30min,  no Teatro Carlos Urbim – Sessão de histórias com Penélope Martins e Eleonora Medeiros

Público: participantes do Seminário e público em geral

Mediação: Celso Sisto

Coordenação, curadoria e apresentação: Celso Sisto

 

17 de novembro

9 às 19h, no auditório  da Livraria Paulinas e no Teatro Carlos Urbim

Ciclo A Arte de Contar Histórias

 

12º Seminário A Arte de Contar Histórias

 

9h às 12h-  Oficina com José Mauro Brant

 

14 às 17h – Oficina com Elisa Lucas

 

17h30min às 19h – A arte de contar histórias como instrumento de debate e emancipação, mesa-redonda com José Mauro Brant e Elisa Lucas

Narração de abertura – Angela Cabral

Mediação: Celso Sisto

Público: professores, bibliotecários e outros mediadores da leitura

 

19h30min,  no Teatro Carlos Urbim – Sessão de histórias com Penélope Martins e Eleonora Medeiros

Público: participantes do Seminário e público em geral

Mediação: Celso Sisto

Coordenação,  curadoria e apresentação: Celso Sisto

 

 

Mats Strandberg e A última travessia na 65ª Feira do Livro de Porto Alegre

No dia 2 de novembro, escritor sueco tem palestra às 18h no CCCEV e autografa às 19h30 na Praça da Alfândega

 

O escritor sueco Mats Strandberg é um dos destaques internacionais da 65ª Feira do Livro de Porto Alegre. Ele apresenta o seu livro A última travessia, (Editora Morro Branco) com tradução de Fernanda Sarmatz Akesson, em conversa com o público no primeiro dia da programação para o público adulto – 2 de novembro (sábado), às 18h, no Auditório Barbosa Lessa no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (CCCEV) – Rua dos Andradas, 1223, Centro Histórico. A palestra, no encontro “Presença sueca na Feira do Livro – Mats Strandberg”, terá mediação do jornalista e crítico literário Carlos André Moreira, com tradução simultânea. Em pauta, o livro que conta a história de uma viagem de sonhos que se transforma em um terrível pesadelo.

Logo após, o premiado autor de literatura adulta, YA (jovens-adultos) e infantil autografa seu livro, a partir das 19h30, na Praça de Autógrafos da Feira, na Praça da Alfândega.

A última travessia destaca-se entre os dez livros mais vendidos na Europa e tem uma adaptação cinematográfica em desenvolvimento. O escritor nasceu em Fagersta, uma pequena cidade industrial no meio da floresta sueca. O local inspirou Engelsfors, o cenário de sua trilogia YA, best-seller, com a coautoria de Sara B. Elfgren.

 

 

 

Programação infantojuvenil investe na formação de leitores

Contribuir para a formação de leitores e de mediadores de leitura é o objetivo principal da programação infantojuvenil e das atividades para professores da 65ª Feira do Livro de Porto Alegre. Participam aproximadamente 80 autores, entre os dias 1º e 17 de novembro, na Praça da Alfândega.

Nesta edição, “Literatura Oral – A palavra como patrimônio” é o tema central da Área Infantil e Juvenil, que é integrada por encontros com autores, contações de histórias e espetáculos, entre outras atividades, e do ciclo A Hora do Educador. O ciclo proporcionará ao público seminários, palestras, oficinas, bate-papos e saraus.

Sob a inspiração do tema foi criada a ambientação da Tenda das Mil e Uma Histórias (diante do Memorial do RS), destinada a crianças de 0 a 6 anos. A equipe estará caracterizada como personagens das histórias de Sherazade, muitas das quais farão parte da programação, assim como histórias de livros dos autores convidados.

Outro local especialmente preparado para esta faixa etária é a Bebeteca (Espaço Cultural dos Correios), que estará ambientada com A Casa dos Três Porquinhos. Este espaço, que conta com um acervo especial, foi criado para incentivar a leitura em família. A atividade dos griôs e dos cordelistas também será mostrada na programação infantil e juvenil.

Espaços da Área Infantil e Juvenil e do ciclo A Hora do Educador:

– Teatro Carlos Urbim – Rua Cassiano Nascimento, entre o Farol Santander e o Memorial do RS)

– Auditório do Memorial do RS – 1º andar

– Biblioteca Moacyr Scliar, Bebeteca e Ateliê da Imagem – Espaço Cultural dos Correios (Av. Sepúlveda, junto à Praça da Alfândega)

– Tenda das Mil e Uma Histórias – Praça da Alfândega, em frente ao Memorial do RS

– Arena Inovação – Praça da Alfândega, junto ao Banrisul

– Estação da Acessibilidade – Praça da Alfândega, ao lado da Central de Informações

– Auditório da Livraria Paulinas – Rua dos Andradas, 1.212

Destaques da programação para o público adulto

Sob o viés da diversidade, a programação para o público adulto vai oferecer seminários, encontros, debates, oficinas com os mais variados temas, trazendo escritores e pensadores brasileiros e estrangeiros para lançar seus livros e refletir sobre o nosso tempo. Entre as questões, algumas se destacam: O pensamento é subversivo? A arte combate a injustiça? O jovem adulto lê?

Nos 17 dias de Feira, assuntos como a cidade e o imaginário cotidiano, a escravidão no país, liberdade de ensinar e de aprender, mídia e feminismo, a questão indígena no Brasil contemporâneo, a música, os 50 anos de Woodstock, os 100 melhores curtas-metragens brasileiros na visão da crítica, racismo, direitos humanos, justiça e exílio estarão no centro dos debate. O social, o político, o cultural e o artístico, identidades, raízes e atualidades de um mundo fracionado e polarizado vão fazer parte das conversas.

A literatura em todos os seus gêneros – romance, crônica, poesia, terror, humor, conto – estará representada por mais de 150 autores brasileiros, como Laurentino Gomes, Maria José Silveira, Leonardo Tonus, Ana Maria Gonçalves e Nilton Bonder. Mais de 12 escritores e pensadores internacionais participam da Feira, entre eles o sociólogo e professor francês Philipe Joron, o sueco Mats Strandberg, os italianos Vicenzo Susca e Fabio LaRocca, a jornalista alemã Caren Miesenberger, a angolana Djaimilia Pereira de Almeida e as argentinas Liliana Heer, psicanalista, escritora e crítica literária, e Mariana Travacio, psicóloga.

 

Convidados internacionais

– O francês Philipe Joron, doutor em Sociologia pela Sorbonne, professor titular na Universidade Paul-Valéry, em Montpellier, professor visitante e pesquisador estrangeiro no Brasil. Atualmente, dirige a Faculdade Sciences du Sujet et de la Société. Joron toca naquilo que realmente faz a vida social, o cotidiano e suas singularidades. Seu leitor anda por veredas e por linhas paralelas. Dia 2 de novembro, às 16h30min, no Auditório Barbosa Lessa, com o livro A vida improdutiva (Editora Sulina).

– O sueco Mats Strandberg, que tem o seu quarto livro solo A última travessia (Editora Morro Branco) entre os 10 mais vendidos na Europa, com uma adaptação cinematográfica em andamento.  Dia 2 de novembro, às 18h, no Auditório Barbosa Lessa.

– O italinao Vicenzo Susca, doutor em Sociologia pela Sorbonne, diretor do Departamento de Sociologia da Universidade Montpellier III e editor da revista Cahiers Européens de L´Imaginaire. É autor de vários livros, entre eles “Nos limites do imaginário, o governador Scharwzenegger, os telepopulistas” e “Pornocultura, viagem ao fundo da carne, em coautoria com Claudia Attimonelli. Dia 2 de novembro, às 16h30min, no Auditório Barbosa Lessa, para falar sobre o livro “As afinidades conectivas: para compreender a cultura digital” (Editora Sulina).

– O italiano Fabio LaRocca, doutor em Sociologia pela Universidade Paris Descartes Sorbonne (2008). É professor na Universidade Paul-Valéry Montpellier 3. Seus estudos e trabalhos são voltamos para a Sociologia do Imaginário, Comunicação e Mídias, Sociologia Visual, Cidades e Espaços Urbanos, Epistemologia e História do Pensamento Sociológico.  Dia 2 de novembro, às 16h30min, no Auditório Barbosa Lessa, vai falar sobre o livro A cidade em todas suas formas (Editora Sulina).

– A alemã Caren Miesenberger, jornalista e freelancer, trabalha para vários veículos na Alemanha, como BuzzFeed, Print, Online e Radio em Hamburgo. Faz mestrado em Geografia. Já publicou artigos em português para a Fundação Heinrich Böll, Blogueiras Feministas e Não Me Kahlo. Seus temas falam de sociedade, cultura popular, feminismo queer, digitalidade e mobilidade. É assessora do Twitter da Wir Machen Das e editora voluntária da revista Brasilicum. Dia 7 de novembro, 18h, no Auditório Barbosa Lessa, vai falar sobre Resistência feminista na mídia brasileira e alemã.

Rabino Joseph Saltoun, Canadá. Escritor, pesquisador, palestrante, comentarista e estudioso da Kabbalah, da qual é mestre, e da Teosofia Religiosa, desde os 22 anos. Iniciou em 1982 e é um dos poucos a serem ordenados como Rabino e Sábio da Kabbalah pelo renomado Rabino P. S. Berg (fundador do Kabbalah Centre International.

Djaimilia Pereira de Almeida, de Angola. Nasceu em Luanda em 1982. Cresceu nos arredores de Lisboa. Formou-se em Estudos Portugueses e fez doutorado em Teoria da Literatura, na Universidade de Lisboa. Foi uma das vencedoras do Prêmio de Ensaísmo Serrote (2013 – Instituto Moreira Salles). Publicou ensaios em revistas e jornais de Portugal, EUA e Brasil. Esse Cabelo (Prêmio Novos – Literatura 2016) é seu primeiro livro. Em 2016, foi uma das finalistas da Rolex Mentor and Protégé Arts Initiative. Dia 16 de novembro, às 18h, no Auditório Barbosa Lessa para falar sobre seu segundo romance Luanda, Lisboa, Paraíso, balanço de três vidas obscuras, em que esperança e pessimismo, desperdício e redenção, surgem lado a lado.

Liliana Heer, da Argentina. Psicanalista, escritora e crítica literária. Tem vários livros publicados desde 1980. Dejarse Llevar (relatos), Bloyd (novela, Prêmio Boris Vian, 1984), La Tercera Mitad (novela, 1988), Giacomo. O texto secreto de Joyce (ficção crítica, 1992), em coautoria com J. C. Martini Real, Frescos de amor (novela, 1995), El sol después e Hamlet & Hamlet (2011), entre outros. Escreveu o curta-metragem Dibujar um elefante em base al recuerdo de lós mirlos, dirigido por Rubén Guzmán e a peça teatral Para empezar aplaudiendo – Sin apremio por concluir.

Mariana Travacio, da Argentina. Psicóloga especializada em Criminologia Forense, experiência que a marcou para sempre e transborda na sua literatura. Seus contos foram premiados e publicados em Cenizas de carnaval, edição que não deixa lugar para dúvidas sobre a construção do sinistro e do perverso. Dia 6 de novembro, no Auditório Barbosa Lessa para falar sobre Diálogos entre a literatura brasileira e argentina. Editora Moinhos.

Emanuele Coccia, Itália/França. Filósofo italiano. É professor auxiliar na École des Hautes Études em Sciences Sociales, em Paris. Das suas publicações traduzidas em diversas línguas, destacam-se A Vida Sensível (2010), Le Biens dans les choses (2013) e La vie des plantes (2016). Co-editou com Giorgio Agamben a antologia Angeli. Ebraismo Cristianesimo Islam (2009). Dia 17 de novembro, às 16h30min, no Auditório Barbosa Lessa para falar sobre o livro A Vida Sensível (Editora Dantes).

Gonçalo Ferraz, Portugal. Poeta, pesquisador e acadêmico, é professor de Biologia de Populações na UFRGS. Procura manter no trabalho a criatividade em todas as regras de expressão que a atividade científica impõe. A poesia para ele transita nesse meio. É um exercício de expressão sintética das ideias que considera importante dentro das regras.  Dia 3 de novembro, às 18h30min, na Sala O Retrato.

Marcela Villavella, psicanalista e poeta argentina conhecida por seus ensaios de divulgação e seu trabalho de coordenação da Escola Brasileira de Psicoanálisis. Dia 15 de novembro, às 16h30min, no Auditório Barbosa Lessa para falar sobre a Revista Anna O, Editora Après Coup.

A patrona Marô Barbieri

Maria Eunice Garrido Barbieri, conhecida como Marô Barbieri (www.marobarbieri.com), é  escritora, professora e contadora de histórias natural da cidade de Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul. Tem Licenciatura Plena em Letras (Língua e Literatura Portuguesa e Língua e Literatura Francesa) pela PUCRS. Como professora, atuou ensinando língua e literatura de português e francês em turmas de primeiro e segundo graus do Instituto Educacional João XXIII, Colégio Santa Família, Colégio Menino Deus, Colégio Rosário e Colégio Israelita. Autora de 27 livros, Marô destaca-se pelas obras voltadas ao público infantil mas, a partir de 2013, começa a produzir livros para público infantojuvenil e para adultos.

Foto: Diego Lopes

 

Destaques

Prêmio AGES Livro do Ano pelo livro “Pestilóide e o Sumiço na Chuva”, da Associação Gaúcha de Escritores em, 2007;

Troféu Palavra Viva do Sintrajufe, pelo conjunto da obra, do Sindicato dos Trabalhadores da Justiça Federal;

Prêmio AGES Livro do Ano da Associação Gaúcha de Escritores, em 2013, pelo livro “Cirandas de Villa Lobos-Reinvenções”, em parceria com Olinda Alessandrini (pianista) e Clara Pechansky (artista plástica);

Além disso, foi bolsista do CNPQ na Faculdade de Educação da UFRGS no Programa Educom – Informática na Educação – obtendo o 1º lugar no Concurso Anual de Software Educacional Brasileiro – pelo software “Criando histórias com Tartita” – da Secretaria Geral de Informática do Ministério da Educação, em dezembro de 1987.

Como escritora convidada, participou de eventos:

Na Espanha (Encuentro Internacional de Contadores de Histórias e do Maratón de Cuentos – Biblioteca Municipal de Guadalajara – Guadalajara/2003);

Na França (CCGA – Programation de vacances em Thonon-les-Bains e Cran Gevrier/julho de 2003 e nos Rencontres du GFEN, Paris/2011);

Na Bélgica (Rencontre Internacionalle de l´Éducadion Nouvelle em Malonne/2003 e Namur/2011);

No Chile (3º Fórum Mundial de Especialistas em Dramaturgia Infantil e Juvenil, em Santiago/2006);

No Uruguai (1º e 3º Primaverarte- em Ciudad de la Costa/ 2009 e 2011).

Foi também criadora e produtora executiva dos:

I e II Encontro Internacional de Escritores/Contadores de Histórias – “História é pra contar” – Casa de Cultura Mario Quintana e Itaú Cultural – POA – RS – Brasil – 6, 7 e 8 de junho (I) e Universidade de Caxias do Sul – Caxias do Sul – RS – Brasil – 1º, 02 e 03 de junho de 2006 (II);

1º e 2º Fórum de Literatura Infantil e Juvenil – promoção da SMC de Porto Alegre – 18 e 19 de abril/2007 (Porto Alegre); 18 e 19 de abril /2008 (Porto Alegre).

Marô também é uma das pioneiras no trabalho de visita a escolas e municípios, ministrando – desde 1995 – palestras e oficinas no RS, no RJ, no CE e em SP. Até 2014, foi patrona de 22 Feiras do Livro, entre elas Guaíba, Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Morro Reuter, Minas do Leão, Triunfo e Flores da Cunha, Canela e Alvorada. Além disso, é madrinha de três bibliotecas que têm o seu nome: em Santa Maria do Herval/RS, em Morro Reuter/RS e em Porto Alegre/RS.

Marô Barbieri foi Presidente da Associação Gaúcha de Escritores (AGEs) nos biênios 2004-2005, 2006-2007, 2010-2011 e é membro do corpo de especialistas em leitura da Casa da Leitura (Proler/Fundação da Biblioteca Nacional). Em outubro de 2014 passou a integrar a Academia Riograndense de Letras, ocupando a cadeira de número 15.

1 2 3 4 5