Kalunga e Mário Pirata abrem a programação infantojuvenil

Os poetas e autores gaúchos são destaques no primeiro dia da 65ª Feira do Livro

Kalunga, “nome verdadeiro” de Carlos Heraclito Mello Neves, escritor de literatura infantil e infantojuvenil, poeta, instrumentista, oficineiro, compositor e palestrante, abre o ciclo O Autor no Palco (voltado para alunos do Ensino Fundamental) na sexta-feira, dia 1º de novembro, às 9h, no Teatro Carlos Urbim (Av. Sepúlveda), Praça da Alfândega. Kalunga tem 35 livros publicados por várias editoras brasileiras, como Paulinas-SP, Vozes-RJ, Miguilin-MG, Franco-MG, FTD-SP, InVerso-PR Livroebooks-GO, Maneco-RS e Coralina-RS. Alguns dos seus livros foram adaptados para o teatro. Um deles, Criança não faz de Conta, com o Grupo Artigas, conquistou prêmios nacionais e internacionais, com apresentações no Brasil e em outros países da América do Sul.

Mário Pirata é a atração do ciclo Autor no Palco para o público infantojuvenil, no dia 1º, às 10h30, no Teatro Carlos Urbim. Nascido em Porto Alegre, ele cursou Filosofia na UFRGS. Começou escrevendo folhetos, fazendo parte da “geração mimeógrafo” dos anos 70. Vem dedicando-se à educação, brincando com crianças, conversando com adolescentes e adultos, apresentando-se em teatros, feiras, congressos, praças, instituições. Realiza oficinas de criatividade, onde o trabalho está voltado para o desenvolvimento da linguagem. Tem 12 livros publicados.

Contação de histórias com a Caravana da Sherazade

Vai dormir, princesa!”, de Hermes Bernardi Jr., abre na sexta-feira, dia 1º de novembro, as atividades na Tenda das Mil e Uma Histórias, espaço da Área Infantil e Juvenil voltado para crianças de zero a seis anos. Na Tenda (Praça da Alfândega), a partir das 11h30, Contação de histórias com a Caravana da Sherazade.

Arena Inovação para o público jovem e adulto

Esta é uma das novidades da 65ª Feira do Livro, dedicada ao público jovem e adulto, no espaço Arena Inovação, na Praça da Alfândega (R. Siqueira Campos, 2529). Na sexta, dia 1º de novembro, abre a Mostra de Projetos de Iniciação Científica, promovida pela Secretaria Municipal de Educação de Novo Hamburgo, das 9h às 18h. Nos dias 2 e 3, das 9h às 20h30m, acontece o evento Hackatown: Democratização da leitura. Depois de palestras sobre questões ligadas à leitura no país, dos desafios às novidades no setor, os participantes serão reunidos em equipes para idealizar soluções a partir da abordagem design thinking (conjunto de métodos e processos para abordar as ideias criadas). Promoção da Point Facilitações Criativas, em parceria com a Câmara Rio-Grandense do Livro. No dia 4, a Mostra de Robótica Educacional Livre, com o Grupo Roboed 28 CRE, das 9h às 17h, para alunos do Ensino Fundamental e público interessado. E, às 18h, o painel Impacto da tecnologia na área da Saúde, com Pedro Schestatsky, Luciano Eifler e Guria Natureba.

 

Minimum – Proposta para novas barracas da Feira do Livro

Do dia 2 até 17 de novembro, o público poderá conhecer os projetos desenvolvidos em concurso para novas barracas da Feira do Livro de Porto Alegre, pela Minimum, em parceria com a Câmara Rio-Grandense do Livro. Das 9h às 20h30, no Espaço Cultural dos Correios, Praça da Alfândega.

Destaques da programação

A programação completa da 65ª Feira do Livro de Porto Alegre pode ser acessada pelo site www.feiradolivro-poa.com.br

Fotos estão disponibilizadas, com o crédito dos fotógrafos da Feira, no Flickr: www.flickr.com/photos/feiradolivropoa

Dia 2 de novembro – sábado

Exposição Coletiva Minorias

2/11 a 16/11 – Terça a sexta, das 10h às 19h. Sábado, das 11h às 18h. Sala O Arquipélago no CCCEV

Primeira atividade da programação para o público adulto na Feira do Livro 2019, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (CCCEV). A exposição apresenta questões de gênero, racismo, LGBTQ+, feminismo, além de temas históricos do Brasil. Curadoria de Alexsander Britto e Valdriana Corrêa.

ARI entrevista JJ Camargo

2/11 – 14h – Sala Noé de Mello Freitas no CCCEV

Cronista consagrado e referência internacional na área de cirurgia torácica, o autor gaúcho J.J.Camargo é recebido por jornalistas gaúchos. Com a participação de Vilson Romero e Marta Sfredo.

Após o encontro, J. J. Camargo autografa o livro Se você para você cai (LPM), às 15h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Escritores Gaúchos, Série Digital: Aldyr Garcia Schlee

2/11 – 14h30 – Sala O Retrato no CCCEV

Lançamento do fascículo com Alfredo Aquino, Maria Eunice Moreira e Luiz Olyntho Telles da Silva. Editora: IEL.

A arte combate a injustiça?

2/11 – 15h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Maria Tomaselli, Antonio Gerbase e Gustavo Nakle conversam com o público sobre uma discussão que vem e vai. Escultura, gravura e literatura servem para combater a injustiça social ou se faz isso apenas com ciência e política? No encontro, a artista plástica Maria Tomaselli comenta o seu novo lançamento, Ela se chama Azelene (Editora Libretos). O seu terceiro livro conta a relação de uma presa em regime semiaberto com sua patroa, ou de uma patroa com sua empregada que deve voltar correndo, toda tarde, para a prisão.

Após o encontro, Maria Tomaselli autografa seu livro, às 16h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

1824 e os 195 anos de Imigração Alemã no Brasil

2/11 – 16h – Sala O Retrato no CCCEV

Em 1824, (Editoria Leya), o historiador, pesquisador e escritor Rodrigo Trespach (www.rodrigotrespach.com) narra a chegada dos imigrantes de língua alemã ao Brasil e a formação das primeiras colônias no século XIX. O livro mostra como os alemães participaram da instalação das nossas primeiras colônias agrícolas, do surgimento da igreja protestante brasileira e até mesmo de um plano para assassinar d. Pedro I. Por meio de documentos e diários de viagem, Trespach insere uma vasta pesquisa histórica numa envolvente narrativa que conta uma história fascinante e pouco conhecida sobre a formação do Brasil. Rodrigo Trespach nasceu em Osório (RS). É autor de onze livros, entre os quais O lavrador e o sapateiro (2013) e os quatro livros da coleção Histórias não (ou mal) contadas (2017 e 2018). Como pesquisador independente, é colaborador do Instituto de História Regional da Universidade de Mainz, na Alemanha, e autor de diversos artigos para jornais e revistas nacionais e internacionais.

Após o encontro, Rodrigo Trespach autografa seu livro às 17h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Cidade, imaginário e cotidiano

2/11 – 16h30 – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

De 2013 no Brasil aos coletes amarelos franceses. Para debater este tema, a Feira do Livro de Porto Alegre traz, nesta 65ª edição, três reconhecidos autores internacionais em encontro que tem a participação do autor e jornalista gaúcho Juremir Machado da Silva: o francês Philippe Joron e os italianos Vincenzo Susca e Fabio La Rocca. Em destaque, os livros A cidade em todas as suas formas (Fabio La Rocca), Pornocultura (Susca) e A vida improdutiva (Joron) – todos da Editora Sulina.

Após o encontro, os três autores autografam, às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega, os livros: A cidade em todas as suas formas (Fabio La Rocca), As afinidades conectivas: para compreender a cultura digital (Vincenzo Susca) e A vida improdutiva (Philippe Joron).

Sobre os autores:

– O italinano Vicenzo Susca é doutor em Sociologia pela Sorbonne, diretor do Departamento de Sociologia da Universidade Montpellier III e editor da revista Cahiers Européens de L´Imaginaire. É autor de vários livros, entre eles Nos limites do imaginário, o governador Scharwzenegger, os telepopulistas e Pornocultura, viagem ao fundo da carne, em coautoria com Claudia Attimonelli.

– O italiano Fabio LaRocca é doutor em Sociologia pela Universidade Paris Descartes Sorbonne (2008) e professor na Universidade Paul-Valéry Montpellier 3. Seus estudos e trabalhos são voltamos para a Sociologia do Imaginário, Comunicação e Mídias, Sociologia Visual, Cidades e Espaços Urbanos, Epistemologia e História do Pensamento Sociológico.

– O francês Philipe Joron é doutor em Sociologia pela Sorbonne, professor titular na Universidade Paul-Valéry, em Montpellier, professor visitante e pesquisador estrangeiro no Brasil. Atualmente, dirige a Faculdade Sciences du Sujet et de la Société. Joron toca naquilo que realmente faz a vida social, o cotidiano e suas singularidades. Seu leitor anda por veredas e por linhas paralelas.

Conversa com o Patrono da 65ª Feira do Livro

2/11 – 17h – Sala O Retrato no CCCEV

Marô Barbieri, patrona desta edição, conversa com o público sobre a sua obra. Maria Eunice Garrido Barbieri, conhecida como Marô Barbieri, é  escritora, professora e contadora de histórias, natural de Bento Gonçalves (RS). Tem Licenciatura Plena em Letras (Língua e Literatura Portuguesa e Língua e Literatura Francesa) pela PUCRS. Como professora, atuou ensinando língua e literatura de português e francês em turmas de primeiro e segundo graus do Instituto Educacional João XXIII, Colégio Santa Família, Colégio Menino Deus, Colégio Rosário e Colégio Israelita. Autora de 27 livros, Marô destaca-se pelas obras voltadas ao público infantil mas, a partir de 2013, começa a produzir livros para público infantojuvenil e para adultos. Até 2014, foi patrona de 22 Feiras do Livro, entre elas Guaíba, Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Morro Reuter, Minas do Leão, Triunfo e Flores da Cunha, Canela e Alvorada. É madrinha de três bibliotecas que têm o seu nome: em Santa Maria do Herval/RS, em Morro Reuter/RS e em Porto Alegre/RS. Foi Presidente da Associação Gaúcha de Escritores (AGEs) nos biênios 2004-2005, 2006-2007, 2010-2011 e é membro do corpo de especialistas em leitura da Casa da Leitura (Proler/Fundação da Biblioteca Nacional). Em outubro de 2014 passou a integrar a Academia Rio-Grandense de Letras, ocupando a cadeira de número 15.

Textos contraculturais, crônicas anacrônicas & outras viagens

2/11 – 17h30 – Teatro Carlos Urbim

Eduardo Bueno (Peninha) conversa com o público sobre o seu mais recente livro, Textos contraculturais, crônicas anacrônicas & outras viagens (LPM), no qual revisita sua carreira como jornalista e divide suas experiências como escritor e ‘viajante’. O autor reúne crônicas, entrevistas e textos jornalísticos sobre escritores que marcaram a “geração beat”. Conforme a editora, “Pop, culto, engraçado, sério, este livro é marcado pela grande diversidade de temas, cuja unidade é exatamente a sua qualidade. O produto final é uma seleção de textos que, escritos ao longo dos últimos trinta anos, consagram Eduardo “Peninha” Bueno como um dos mais talentosos intelectuais brasileiros”. 

Após o encontro, Eduardo Bueno (Peninha) autografa seu livro, às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Presença sueca na Feira do Livro: Mats Strandberg

2/11 – 18h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

O escritor sueco Mats Strandberg apresenta o seu livro A última travessia (Editora Morro Branco), que tem tradução de Fernanda Sarmatz Akesson. O livro conta a história de uma viagem de sonhos que se transforma em um terrível pesadelo. A palestra, no encontro “Presença sueca na Feira do Livro – Mats Strandberg”, tem mediação do jornalista e crítico literário Carlos André Moreira, com tradução simultânea. O premiado autor de literatura adulta, YA (jovens-adultos) e infantil é um dos destaques internacionais na 65ª Feira do Livro. A última travessia destaca-se entre os dez livros mais vendidos na Europa e tem uma adaptação cinematográfica em desenvolvimento. Mats Strandberg nasceu em Fagersta, uma pequena cidade industrial no meio da floresta sueca. O local inspirou Engelsfors, o cenário de sua trilogia YA, best-seller, com a coautoria de Sara B. Elfgren.

Após o encontro, Mats Strandberg autografa seu livro A última travessia, a partir das 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Woodstock – 50 anos!

2/11 – 18h30 – Sala Noé de Mello Freitas no CCCEV

Comemoração dos 50 anos do Festival de Woodstcok e o espírito do nosso tempo: imagens, livros, música. Com Robson de Freitas Pereira, Luís Augusto Fischer e Juarez Fonseca.

O Brasil visto de fora

2/11 – 18h30 – Sala O Retrato no CCCEV

Encontro com o poeta, professor de literatura brasileira na Sorbonne e organizador do Festival Printemps Littéraire Brésilien, Leonardo Tonus (França). Com mediação da escritora e jornalista Cíntia Moscovich, ex-patrona da Feira do Livro de Porto Alegre (2016). Editora Nós.

Leonardo Tonus é professor Livre Docente em literatura brasileira no Departamento de Estudos Lusófonos na Sorbonne Université (França). Membro do Conselho Editorial e do Comitê de Redação de diversas revistas internacionais, atua nas áreas de literatura brasileira contemporânea, teoria literária e literatura comparada com pesquisa sobre imigração. Em 2014 foi condecorado pelo Ministério de Educação francês Chevalier das “Palmas Acadêmicas” e, em 2015, Chevalier das “Artes e das Letras” pelo Ministério da Cultura francês. Foi Curador do Salon du Livre de Paris de 2015 que teve o Brasil como país homenageado e, em 2016, da exposição “Oswald de Andrade: passeur anthropophage” no Centre Georges Pompidou (França). É o idealizador e organizador desde 2014 do festival literário internacional “Printemps Littéraire Brésilien”. Participou da Delegação Oficial brasileira no Salão do Livro de Göteburg (Suécia) em 2014 e 2016 e atuou como moderador de diversos eventos literários internacionais (Flip, 2017, Salon du Livre de Paris, entre 2012 e 2018, Salão do Livro de Göteburg, 2014 e 2016). Publicou artigos acadêmicos sobre autores brasileiros contemporâneos e coordenou a publicação, entre outros, dos ensaios inéditos do escritor Samuel Rawet (Samuel Rawet: ensaios reunidos, 2008), do número 41 da Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, da edição especial da Revista Ibéric@l, em torno da nova cena literária no Brasil e das antologias La littérature brésilienne contemporaine – spécial Salon du Livre de Paris 2015 ( Revista Pessoa, 2015), Olhar Paris (Editora Nós, 2016), Escrever Berlim ( Editora Nós, 2017) e Min al mahjar ila al watan (Da Terra de Migração Para a Terra Natal (Revista Pessoa/ Editora Mombak; Abu Dhabi Departement of Culture and Tourism/ Kalima, 2019). Em 2018 lançou sua primeira coletânea de poesias intitulada Agora Vai Ser Assim (Editora Nós, 2018) e vários de seus poemas já tiveram publicação em antologias e revistas nacionais (A resistência dos vaga-lumes, 2019; Em tempos de pós-democracia, 2019; O que resta das coisas, 2018 – finalista do Prêmio Ages 2019) e internacionais (Aosnovoiorquinos, New York, 2019). Em outubro de 2019 lança sua segunda antologia de poemas intitulada Arrepio de cílios pela Editora Nós.

Mauro Borba e a história do Cafezinho. O resto é cópia

2/11 – 18h30 – Teatro Carlos Urbim

A história contada por quem lançou o Cafezinho (Pop Rock), um programa clássico com a participação dos ouvintes, até hoje no ar pela rádio MIX FM 107.1. Com o autor gaúcho Mauro Borba, Eron Dalmolin, Luís Gustavo Bivis, Simone Cabral, Eduardo Mendonça e Arthur de Faria. Editora Besourobox.

Após o encontro, Mauro Borba autografa seu livro, às 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Dia 3 de novembro – domingo

Apometria, os Orixás e as linhas de Umbanda

3/11 – 15h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Em pauta, O contexto de invocação dos Orixás, com o líder religioso Norberto Peixoto.

Ele conversa com o público sobre a religião Umbanda e comenta o seu livro O Transe Ritual na Umbanda – orixás, guias e falangeiros (Editora Besourobox/Selo Legião).

Após o encontro, Norberto Peixoto autografa seu livro, às 16h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Uma história da escravidão no Brasil

3/11 – 16h30 – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Palestra do escritor e jornalista paranaense Laurentino Gomes, com mediação do jornalista e crítico literário Carlos André Moreira. Em pauta, o livro Escravidão Vol. 1 (Editora Globo). Do primeiro leilão de cativos africanos em Portugal à morte de Zumbi dos Palmares: a saga que transformou o Brasil no maior território escravista das Américas, destino de quase cinco milhões de africanos escravizados ao longo de 350 anos.

Após o encontro, Laurentino Gomes autografa seu livro, às 17h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Abordagens dos anos 90 na literatura brasileira

3/11 – 17h – Sala Noé de Mello Freitas no CCCEV

O escritor pernambucano radicado em São Paulo Alex Bezerra de Menezes e o jornalista e escritor porto-alegrense Caco Belmonte conversam com o público sobre as abordagens dos anos 1990 na literatura brasileira e contam por que criaram histórias ambientadas naquela década, em seus romances e contos. O encontro tem mediação do jornalista e professor Lucas Colombo. Durante a conversa, Caco e Alex podem ler trechos de seus romances e contos em que observam traços dos anos 1990 e relembrar costumes e produtos que todos tínhamos naquele tempo.

Após o encontro, Alex Bezerra de Menezes autografa seu livro Depois do fim (Editora Simonsen), às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Conversa com o Patrono da 47ª Feira do Livro: Armindo Trevisan. O Credo de São Tomás explicado a um jovem de hoje

3/11 – 17h – Sala O Retrato no CCCEV

A preocupação ecumênica e humanista na exposição da matéria dogmática. A sensibilidade do autor-poeta, longe de comprometer a porção doutrinal do livro, a sublinha, de acordo com o princípio de Pascal: “Deus sensível ao coração”. Participam da mesa o poeta Armindo Trevisan e Pe. Carlos Gustavo Haas, com mediação do escritor Paulo Flávio Ledur.

Após o encontro, Armindo Trevisan autografa o livro O Credo de São Tomás explicado a um jovem de hoje (Editora AGE), às 18h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

A Cabala e os Sistemas

3/11 – 18h – Auditório Barbosa Lessa no CCCEV

Encontro com a participação do Rabino Nilton Bonder (São Paulo) e mediação do jornalisa Tulio Milman. Reflexão sobre a nova série lançada pelo escritor, abordando, através de sete distintas temáticas, a importância dos sistemas na arte da interpretação. Nilton Bonder é rabino e líder espiritual da Congregação Judaica do Brasil e doutor em Literatura Hebraica pelo Jewish Theological Seminary. Seus livros são publicados também na Holanda, Itália, Alemanha, Estados Unidos, China, Rússia, Coreia do Sul, Espanha e República Tcheca. Recebeu o prêmio Jabuti 2000, na Categoria Religião.

Após o encontro, Nilton Bonder autografa seu livro Cabala e a arte de manutenção da carroça (Editora Rocco), às 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Sarau: Poesia dita. Poesia escrita.

3/11 – 18h30 – Sala O Retrato no CCCEV

O que poetas podem ter em comum se não a voz e a coragem de dizer seus versos? Sarau destacando a presença do poeta, pesquisador e acadêmico português Gonçalo Ferraz, professor de Biologia de Populações na UFRGS, em Porto Alegre (RS). O escritor procura manter no trabalho a criatividade em todas as regras de expressão que a atividade científica impõe. A poesia para ele transita nesse meio. É um exercício de expressão sintética das ideias que considera importante dentro das regras. Com a participação de Maria do Carmo Campos, Fátima Farias, Ricardo Silvestrin e Mara Reichert.

Após o encontro, Gonçalo Ferraz autografa o livro Compras do mês (Editora Libretos), às 19h30, na Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega.

Posts Relacionados